Sábado, 17 de Agosto de 2019
informe o texto a ser procurado

Notícias | Agro

Técnica de manejo de gado criada por veterinária brasileira faz sucesso nas Américas

Segundo ela, o bem-estar é fundamental e influencia em resultados produtivos e reprodutivos

08/08/2019 | 14:02 - Atualizada em 08/08/2019 | 14:15

canalrural/momentomt/Otavio Ventureli 0011914/MTE/DF

 
      Menos prejuízo com contusões, menos custo com manutenção de estruturas dentro da fazenda, menor risco para os vaqueiros, maior qualidade de carne e mais ética na atividade.

       Os benefícios na prática do bem-estar animal na pecuária de corte formam uma longa lista.
 
      O assunto foi destaque do Giro do Boi desta quinta, 08, em entrevista com uma profissional responsável por uma inovação para o setor, a médica veterinária e consultora Adriane Lermem Zart(foto), criadora do conceito do manejo “nada nas mãos”.
 
     “Para mim, o bem estar é extremamente importante e influencia nos resultados produtivos e reprodutivos da fazenda”, justificou Zart. “É um conceito de manejo com o gado baseado principalmente em linguagem corporal. Então o nosso posicionamento dentro do curral, o ângulo que a gente se coloca em direção aos animais e nossa atitude ali dentro importam. É uma técnica que foi baseada no comportamento natural do gado, foi criada através da observação, […] a gente usa o instinto dos bovinos ao trabalhar com eles”, detalhou a veterinária, titular da consultoria Personal Pec.
 
     Segundo Zart, a proposta de trabalho constrói uma relação de confiança entre animal e homem, estabelecendo uma liderança natural do vaqueiros sobre o animal a partir disto. “É a base do manejo ‘nada nas mãos’: confiança e liderança. A gente busca que o gado trabalhe para você porque ele confia em você e ele te vê como um líder”.
 
     O trabalho da médica veterinária está bem disseminado por todo o continente e já foram feitos treinamentos para aproximadamente 2.000 peões de cerca de 200 fazendas em todo o Brasil e também em outros países da América, como Paraguai, Bolívia, Colômbia e México.
 
     Nos treinamentos com os peões, a consultora explicou que o objetivo é mostrar uma nova possibilidade de estes profissionais, muitas vezes bem experientes, usarem seu conhecimento acumulado ao longo de anos como vaqueiros de um modo diferente.
 
     “Eu tenho muita felicidade em trabalhar com os peões nas fazendas porque esta turma é fantástica. A recepção deles com a técnica e a capacidade deles de aprendizagem, o quanto eles absorvem rápido a técnica, isto sempre me impressiona”, celebrou.
 
Sitevip Internet